quinta-feira, 6 de abril de 2017

tua coluna 
cheia de vértebras
colada ao meu peito
cheio de amor e medo
e então dormimos assim
de conchinha:
o que te faz andar
colado ao que me faz
viver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário