sexta-feira, 24 de junho de 2016

Um poema para minha ex (ou quando descobri o atual dela)
Me lembro do nosso começo,
nus de experiências
mas tentando um mundo
e como dá para ler no título
não deu certo
(ou deu e
o "dar certo"
é que tem
prazo de validade)
e agora você está
esbanjando nudez
na cama de outro
ou na sua própria,
que era tão macia.
Pior do que pensar nisso
é pensar que agora as suas lembranças frescas
serão pintadas por outro,
mas tudo bem.
Só não esqueça
que fui eu que
te apresentei a comida oriental
e que meu amor foi teu.
E, por favor,
não deixe a sua irmãzinha
gostar mais do seu atual
do que ela gostava de mim,
isso vai ser golpe baixo.
Se eu soubesse
que aqueles teus beijos
eram os últimos
eu não pediria um beijo
de despedida
   eu
   pediria
   um
   abraço
   bem
   forte.
Ninguém me disse
que você iria embora,
nunca assinei nada
nem acordo verbal.
Só não chamo um advogado
por que nesses casos
não há propaganda enganosa
nem reintegração de posse:
ninguém é de ninguém.
É a lembrança
uma colcha de retalhos:
ora aquece,
ora deixa desprotegido
do vento gélido 
da saudade.
A verdade é
que as pessoas vão
te machucar.
Pense nisso
quando amar:
encontre alguém
que te machuque
da forma mais doce
possível.

Self-destruction

Não nos fizemos bem
tentei me apegar
ao fato
mas quando vejo
nossas fotos
te quero de volta
no ato.
Já dizia o poeta amargurado:
vão-se os ameis
e ficam-se os medos.

Linha Esperança do Itinerário Torto

Você quis
seguir o seu
caminho,
disse um não
ao meu sim.
Eu, então,
segui o meu caminho
de ônibus, como sempre.
A minha cabeça
descansava sobre a janela
e foi um alívio ver
que do lado de fora
o mundo continuava o mesmo,
em movimento,
girando.
Quem sabe
numa girada dessas
pegamos o mesmo ônibus
e a sua cabeça queira
descansar no meu ombro.
Te amo
bem do fundo



do meu poço.
Vai ver
deu certo,
só que o 
dar certo
tinha prazo
de validade
e não sabíamos.
Nos falamos
ontem
e você disse
que parecia
que havia muito
a ser falado ainda
mas que não saiam
mais palavras.
Talvez um "desculpa"
ou um
"volta pra mim"
sejam grandes demais
para passarem por nossas bocas
secas pelo tempo.
A luz neon
quase atravessava
as pessoas
na pista
e eu lá
dançando
descompassadamente
com meu copo
na mão
e tentando cruzar
com algum outro olhar
tão perdido
quanto o meu.
Se 
ao
menos
tivéssemos 
sido
mais.
Mundo pequeno:
a mulher dos meus sonhos
do outro lado da rua.
A noite é uma criança
(que pula nos meus problemas
como se fossem uma poça d'água
tentadora aos instintos irresponsáveis).
   na noite
   a mente
   é o açoite
   da gente.
Teu nome agora é maldito
por que a lembrança ainda é fresca.
Se vejo no crachá
da moça da farmácia
que ela tem o mesmo nome seu
ou leio por aí
esse seu nome solto,
é impossível não lembrar de você.
Pena que existam várias pessoas
carregando o seu nome por aí,
nos crachás, nas bocas e nos poemas.
Faltam dez minutos
Faltam dez minutos.
Sempre é dez para alguma coisa.
Daqui a dez minutos, ainda será
dez para outra coisa.
Faltam dez minutos
para uma bala acertar sua cabeça,
para seu peito sucumbir de saudade
para o telefone tocar desesperado
para uma nuvem formar algo bobo
para dizerem que te amam,
ou para te esquecerem de vez
para o mundo acabar.
Faltam dez minutos para alguma coisa
e sempre faltará.
Daqui a dez minutos
você será outro
essa poesia será outra
e com o mundo inteiro
não será diferente.
Faltam dez minutos
e sempre nos falta algo.
Nos vemos daqui a dez minutos
[se sobrevivermos].
Que haja
entre nós
nós cegos
que ninguém consiga
desfazê-los
(apenas nós mesmos)
As coisas
que não dissemos
são como
as quinquilharias
que guardamos
pela casa.
Ocupam espaços
quase invisíveis,
mas mesmo assim,
atrapalham quando
resolvemos fazer
uma mudança.
É melhor prevenir.
Excluí seu número
e te apaguei
de todas minhas redes sociais.
Vai que numa
bebedeira dessas
ou numa crise de
carência nostálgica,
eu te ligo
ou te mando uma mensagem?
Como eu ficaria no dia seguinte
tendo que admitir,
em meio a uma ressaca barata,
que a culpa não foi da bebedeira
mas sim minha,
por ter ido embora
com um barril cheio de coisas
não ditas?
Melhor prevenir.
Quando sonho com você
e acordo vendo
que já não mais te tenho
comigo na cama
para escutar meus sonhos
na manhã seguinte
acompanhando um café quente
e qualquer coisinha que
mate a fome
ou irmos para o almoço direto,
percebo que sonhar com você
agora é o pesadelo da falta.
O mau humor
é o mais eficaz
repelente natural.
Espanta tudo,
menos os insetos em geral.
Sonhei com você
Oh, merda.
Eu ia até você
pra pedir desculpas,
qualquer coisa só
para te ver de novo.
Nos vimos, saímos
para tomar um café.
Conhecemos um cara e uma mulher
que estavam no primeiro encontro,
pessoas interessantes.
Eu falei para umas pessoas da volta
dos meus poemas
e que eu sempre me fodia
em março e que isso era
um lance astrológico.
Oh, merda
no sonho eu vi a gente
abraçados, agarrados, se beijando.
Teve um momento
que eu sentei atrás de você
e abracei com força as tuas costas
e você fazia carinho
nos pelos do meu braço
em volta da tua cintura.
Eu disse que queria parar o tempo
que aquilo era felicidade
mas não disse que te amava
e nem que queria voltar,
mas porra eu te amava
e queria voltar.
Que cara ingênuo esse do sonho
que era eu, que teria ido até você
querendo voltar, que se abriria todo
que conversaria com um casal
de estranhos só para disfarçar
o próprio nervosismo
que falaria dos seus poemas
só para parecer o tal
para você se impressionar
que falaria sobre astrologia
querendo usar isso como desculpa
algum dia.
No fim do encontro e do sonho
mesmo sem eu ter dito
que ainda te queria
mas deixando isso claro
só por estar ali,
você me disse,
sentada na calçada da cafeteria,
que não que não ia querer
nós juntos de novo,
e a dona da cafeteria até te apoiou.
Eu disse tudo bem,
me tira desse sonho logo
ou me deixa aqui pra sempre.
Você saiu e foi pegar um táxi,
contendo o choro
dentro desses teus olhos cor de âmbar
e nem me deu um último beijo.
Foi frio
foi necessário.
Assim eu acordo,
pego o celular achando
que esse sonho poderia ter sido
algum tipo de premonição
e que teria uma mensagem sua
dando um oi bobo.
Não tinha nada.
Escrevo esse poema agora
só pra lembrar amanhã e depois
que eu tive sua boca
mais um tempo perto da minha.
Vou voltar a dormir,
nos vemos por aí,
tomara que num sonho seu.
Comprei um litro e meio
de um vinho doce e barato
com doze reais que eu tinha no bolso
garrafa plástica, rótulo descolando
tomei tudo, 
mas fiquei embriagado já na metade
e a primeira coisa que eu fiz
foi encher o teu saco
com uma mensagem dizendo
que estou com uma peça em cartaz
e que adoraria que você fosse,
tua resposta veio no dia seguinte
perguntando se eu estava bem
e se queria conversar sobre
eu, que já estava de ressaca
e tentando calcular o estrago
de uma noite embriagado
e com bateria no celular,
disse que estava bem
e que para não perder
a coragem que outrora o vinho me dera,
disse que não queria conversar
sobre nada específico
mas que estava sentindo a tua falta
você disse que eu poderia te chamar
quando quisesse,
mas que nos vermos agora
seria difícil
e eu entendi
talvez se você tivesse bebido o mesmo
vinho que eu,
teria sido mais fácil admitir a saudade
ou a nostalgia boa da volta.
Quem sabe da próxima vez
a gente não combina para a mesma hora
nossas bebedeiras
daí tudo fica mais fácil
sairíamos até casados
com um apartamento alugado
e todas as coisas que não dissemos
ditas aos berros, com as palavras
todas emboladas e sinceras
é uma boa, hein?
Bendito seja
o vinho barato,
só ele é doce!"
Livre-se da dor
para
livre ser no amor.
Antes de fazer
uma faxina na minha vida,
decidi jogar fora o tapete
da minha sala de estar interna.
Para conseguir limpar tudo,
a gente precisa se livrar
da tentação que existe
de sempre colocar a poeira
debaixo do tapete.
Livre-se dos tapetes.
A gente se acostuma
mas é cada uma...
Não há outono sem pesar
e não se sabe o porquê.
E depois de uma 
decepção daquelas,
vem a chuva 
e ainda não consegue
atravessar você.
Antes de saber
que é amor,
a gente sabe
que é algo.
já é fantástico
quando é algo.
Quando a saudade
aprisiona,
sinal que o coração
está uma zona.
Quando o efeito
do álcool passa,
quando o amor passa,
a ressaca de ambos
não tem graça.
A conformidade
é uma areia movediça,
uma poltrona reclinada,
confortável e difícil
de se levantar.
Há quem consiga
ser feliz sozinho.
Eu não,
te espero as 20h.
É amor
ou carência?
Veja bem,
não quero assumir um filho 
que não seja meu.
Não dê bola aos avisos:
pise na grama,
vem com seus sorrisos,
me ama!

Separação

Eu fico com os passeios de domingo
e você com as jantas improvisadas.
As festas aos sábados ficam comigo, 
as de sexta você faz o que quiser.
Aquele cinema no shopping é seu,
o parque é meu.
Fique com os apelidos bobos
que eu fico com as piadas tolas.
Eu quero separação total de saudades.
As minhocas 
da cabeça
espantam
as borboletas
do estômago.
Não importa
se amei ontem
ou se amarei amanhã,
amor sempre será
um presente.

Erro

A sua falta
é culpa minha.
Eu sinto muito.