terça-feira, 3 de novembro de 2015

Ex


Morbidez
Escassez
Mudez

A sonoridade é sempre “ex”.

Fim do mundo

O mundo acabou.
Ontem.
Me lembro bem
da data e da hora.
O mundo acabou
quando ela
foi embora.

Perde Dor

O perdedor
fica aliviado
quando ganha espaço.

Certas Atitudes

Jogar conversa fora
com quem você
quer cair pra dentro.
Alguma desculpa qualquer
para pegar o bendito
número do celular. 
Mudar o caminho,
dobrar na próxima esquina
pra fazer aquele encontro surpresa.
Ir na fila mais demorada 
no supermercado
esperando a diagonal perfeita
dos olhares. 
Certas atitudes
parecem forjadas,
mas isso não as impede
de guardar boas intenções.

Hoje diferente de ontem


Hoje,
te vejo na distância.
Hoje, te vejo num navio
que sai do meu cais.


Hoje
é tarde
e não adianta mais.

Poema Instrucional Contra a Felicidade Alheia

Olhe em volta,
vê alguém feliz?
Vá até a pessoa
e segure o seu nariz.
Ela ficou brava?
Missão comprida.
Devolva o nariz
e volte a viver
a sua vida.

Tirolesa


Achou
que a vida
era moleza,
foi de tirolesa
até um coração.


A corda rompeu!
Acorda!
E morreu!

Gaveta

Olha a gaveta
e vê vários projetos
engavetados.
Projeta desengavetá-los,
mas desiste.


Mais um projeto
para a gaveta.

Poluição Sonora


Todo
gemido
que não for
de prazer

água quente em vida fria

É mais fácil
dormir depois
de um banho quente.
Afogamos os problemas
que vão embora
pelo ralo.

Estrangeirismo

Olhos
sempre são estrangeiros
num corpo nu.
Pelos são quase prédios,
zelos são todos médios.
Entre retas e curvas,
todos cantos são esquinas.

De Alguém

Se eu já me sinto mal
quando quebro um copo,
imagina quando machuco
o coração de alguém.

De sentir

É bem coisa de quem sente
não esquecer assim de repente.
Em todo canto, algo sobre nós.
Até no silêncio do quarto,
ouço tua voz.

Ontem em Porto Alegre

Porto Alegre me matou ontem.
Na Andradas, um menino

sentado no chão, pobre
(pobre fui eu em julgar)
tocava triste
um Tim Maia na flauta doce.
Era a música do meu enterro,
ontem fosse.
No Gasômetro, o piano distante
era degustado por dedos curiosos.
A música meio desafinada
era poesia
e eu, com alegria
cumprimentara o tocador.
Não sei, impressão minha?
Ontem Porto Alegre entendia a minha dor.

Vida

A vida é
o perde-ganha
mais desgraçado
que tem.

Eu te Verso

Entre um verso e outro,
lá estava você escondida
atrás de uma rima boba
que só não era mais boba
do que eu escrevendo
sobre você de novo.

Em Vão

Em vão,
tentou retomar os momentos
que perdeu em não.

Um chato certificado

Tem dias que me aborrece
ouvir as pessoas falando alto,
ou falando tanto.
Mas tem dias que me aborrece
ouvir as pessoas falando
e ponto.
Tem dias que a vida
devia vir com o botão
mudo.