terça-feira, 15 de setembro de 2015

Não sobra nada

Tempo contado
no ponteiro do relógio,
vida contada
na fria lâmina
da foice da morte.

Vivemos de últimos segundos
e de últimos respiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário