quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Saudade 360°

Bem que eu queria
ser proibido
de olhar
para trás.
A saudade é tamanha
que até a biologia estranha:
pescoço 360°.

Saudade e só

maldita esperança,
essa metida
que não cansa
será que não dorme
cochila
ou descansa?
Dona esperança,
me deixa viver
só de saudade.

Extinção

O amor
é um crime
ao lobo solitário.

Cidade Mural

Eu vou colar
meus versos
no poste perto
da sua casa,
no muro do seu serviço,
no bar que você frequenta.
Se falarem
que é perseguição,
eu vou falar que é
licença poética
e que a cidade
é cúmplice
do meu amor

haikai do fracasso

é um fracasso 
te cumprimentar de longe
sem beijo e nem abraço.

Pessoas que não são você

tenho conhecido
tanta gente vazia.
[ou é minha boca
que ainda é cheia
do teu gosto.]

Jodo da vida

passa-número
sai-junto
pega-mão
beijo-roubado
feriado-agarrado
pede-namoro
compartilha-vida
quebra-cara.

Passado

Em nome
do adeus,
bendita seja
a distância.
Amei.

Jogo de perdedor

Tem o vazio
da tua escova
no meu banheiro.
Tem o espaço
que sobra na cama
no domingo.
Tem um prato
a menos
para lavar.
Tem minhas roupas
que só tem
meu cheiro agora.
Caiu a ficha
no caça-níquel
da desilusão.
Nem choro
nem vela,
hoje não
me comovem mais
tuas remelas.

Perfume

Tive a infelicidade
de sentar atrás
de uma pessoa com o
mesmo perfume seu
no ônibus.
Era um perfume doce
e nem um pouco enjoativo.
Na verdade, agora era.
Sabia que não era você
mas era o seu perfume.
Confuso, olhei melhor
para ter a certeza que era uma estranha.
Era.
A moça desceu na próxima parada.
Já você,
tinha descido a algum tempo
da minha vida.

Musa

Essa
sua
beleza
atenta
contra
a
clareza
de
minhas
ideias.
Num 
sexo intelectual
não é transa,
é transe.

Migalha

Nenhum amor
vive de migalha.
Doar-se por inteiro
nunca falha.

V(P)avor

Não te apavora,
chega uma hora
que todo problema
evapora.

(Ex)Plosão

Era um asteroide,
mas parecia uma estrela cadente.
Fiz um pedido.
Que você voltasse.
Que bom que era asteroide.
Pena que caiu na Terra.
Transamos
poesia.
Depois ela dormiu 
e eu Drummond.

Assalto à mão amada

Teu adeus
foi pior que
um assalto.
Me tirou tudo.
Me levou ao nada.

Nocaute

A tua
partida
foi um cruzado de direita
na esquerda do meu peito.

Poetas Surrupiadores da Dor Alheia

Teu
problema
é 
poema
meu.

Vê Nus

Transamos no terraço.
Um ET de Vênus
aproveitou a noite
sem nuvens
para nos ver nus.

Modismo

Me avise
se houver algo
preso no meu dente.
Me dê um toque
caso minha
camisa esteja virada.
Aponte quando
meu cadarço
soltar.
Me chame num cantinho
se algo em mim
te incomodar.
Mas por favor,
economize formalidades
quando faltar amor.

Babel

O fim de um relacionamento
é uma ruína
de uma construção
que almejou o céu.
A língua do amor
não é universal.

Volta

Volta e meia
a saudade
volta.
Vez que outra
a falta
já é outra.

Efêmero

Efêmero
é o toque
que arrepia
e vai embora.

Tanto

Eu quero o teu tanto. 
De pouco já basta 
a existência. 
Se é para querer algo,
quero o manto
da tua essência.

Só III

Doeu tanto
a despedida
de certo carregava
o peso de uma vida.
Se houver recaída,
será mais uma saudade
que não suportou a lida.

Só II

Entendeu bem
o que era tristeza
quando a solidão
foi a única companhia
à mesa.

Metro quadrado

Quando vale
o metro quadrado
do seu coração?
Cobre o quanto
quiser.
É livre a concorrência.
Só não diminua
o preço
se o cliente for
a carência.

Sobre finais

Caberá a você 
fechar a porta. 
Minha mão treme 
em fechaduras e
minha voz não sai
em adeus.

Aprendeu a conviver
com a solidão.
Dormiu de conchinha
mesmo sendo o único
no colchão.

Melancolia

Melancólicos
são os dias cinzas
para um girassol.

Banquete social

Egos flambados
acompanhando
as vidas rasas
que são servidas
em pratos fundos.

Conquista

A vida
é um processo
de conquista.
Resultado mortal
caso você
desista.

Armadura

A verdade é fogo
e a vida é avessa
a queimadura.
Abusamos da armadura
para esconder nossa
pele frágil

Volta

sinto
tanto

sua
volta.

Amargor

Foi, 
saindo pela porta 
me deixando no amargor dos gostos. 
Foi,
lapidando tua forma
no meu cemitério de rostos.

Rastros

Há pegadas
tuas em tudo.
Até no mudo 
e onde não sobrou nada.
Há um rastro,
um caminho teu invisível.
Há um astro
de uma galáxia intangível.

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Ex


Morbidez
Escassez
Mudez

A sonoridade é sempre “ex”.

Fim do mundo

O mundo acabou.
Ontem.
Me lembro bem
da data e da hora.
O mundo acabou
quando ela
foi embora.

Perde Dor

O perdedor
fica aliviado
quando ganha espaço.

Certas Atitudes

Jogar conversa fora
com quem você
quer cair pra dentro.
Alguma desculpa qualquer
para pegar o bendito
número do celular. 
Mudar o caminho,
dobrar na próxima esquina
pra fazer aquele encontro surpresa.
Ir na fila mais demorada 
no supermercado
esperando a diagonal perfeita
dos olhares. 
Certas atitudes
parecem forjadas,
mas isso não as impede
de guardar boas intenções.

Hoje diferente de ontem


Hoje,
te vejo na distância.
Hoje, te vejo num navio
que sai do meu cais.


Hoje
é tarde
e não adianta mais.

Poema Instrucional Contra a Felicidade Alheia

Olhe em volta,
vê alguém feliz?
Vá até a pessoa
e segure o seu nariz.
Ela ficou brava?
Missão comprida.
Devolva o nariz
e volte a viver
a sua vida.

Tirolesa


Achou
que a vida
era moleza,
foi de tirolesa
até um coração.


A corda rompeu!
Acorda!
E morreu!

Gaveta

Olha a gaveta
e vê vários projetos
engavetados.
Projeta desengavetá-los,
mas desiste.


Mais um projeto
para a gaveta.

Poluição Sonora


Todo
gemido
que não for
de prazer

água quente em vida fria

É mais fácil
dormir depois
de um banho quente.
Afogamos os problemas
que vão embora
pelo ralo.

Estrangeirismo

Olhos
sempre são estrangeiros
num corpo nu.
Pelos são quase prédios,
zelos são todos médios.
Entre retas e curvas,
todos cantos são esquinas.

De Alguém

Se eu já me sinto mal
quando quebro um copo,
imagina quando machuco
o coração de alguém.

De sentir

É bem coisa de quem sente
não esquecer assim de repente.
Em todo canto, algo sobre nós.
Até no silêncio do quarto,
ouço tua voz.

Ontem em Porto Alegre

Porto Alegre me matou ontem.
Na Andradas, um menino

sentado no chão, pobre
(pobre fui eu em julgar)
tocava triste
um Tim Maia na flauta doce.
Era a música do meu enterro,
ontem fosse.
No Gasômetro, o piano distante
era degustado por dedos curiosos.
A música meio desafinada
era poesia
e eu, com alegria
cumprimentara o tocador.
Não sei, impressão minha?
Ontem Porto Alegre entendia a minha dor.

Vida

A vida é
o perde-ganha
mais desgraçado
que tem.

Eu te Verso

Entre um verso e outro,
lá estava você escondida
atrás de uma rima boba
que só não era mais boba
do que eu escrevendo
sobre você de novo.

Em Vão

Em vão,
tentou retomar os momentos
que perdeu em não.

Um chato certificado

Tem dias que me aborrece
ouvir as pessoas falando alto,
ou falando tanto.
Mas tem dias que me aborrece
ouvir as pessoas falando
e ponto.
Tem dias que a vida
devia vir com o botão
mudo.

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Enlou(a)quecido

Até se enlouqueço
não te esqueço
pois não há
maior loucura
que teu beijo.

A Morte

Nada o abalava,
exceto a bala
que não esperava.

Preguiça

O maior propósito
da chuva é
limpar os óculos
dos preguiçosos.

Infectado

Coração infectado
com o vírus do ciúme, 
favor limpar as paranoias
com o antivírus da confiança.

Meus poemas teus

Se por acaso
encontrar partes tuas
tímidas nos meus versos,
não se assuste.
Quando retribui
meus olhares,
assina um acordo
de minha musa.

As Boas Intenções

Foi para o inferno
mesmo com suas
boas intenções.
Garantiu um quarto
com ar condicionado
pelo menos.

Perde Dor

O perdedor
fica aliviado
quando ganha espaço.

Terraço

Nem terra,
nem aço:
ar.

Óculos

E assim,
de repente,
o dedo roubou
um beijo
da lente.

Pudim

Faço tudo
pra você gostar
de mim.
Divido até
um pedaço
de pudim.

Pula!

Pulemos
além do céu
além do limite,
que nenhum pássaro
ou avião
nos irrite.

Vid@

Essa vida
cheia de 
@arrobas
me dá saudade
das exclamações.

Foice do Tempo

Foi-se o tempo
que eu me ia
em você.

Ter a Pia de Lágrimas

A saudade
é uma torneira
mal fechada.
Ter a pia de lágrimas
é lavar os problemas
com faltas.

Tingido

Pensamentos 
coloridos
(a)tingiram
meu dia.

Crise

Superar-se 
no desafio:
falta de ar
vira assovio.

Qualé a graça?

Você foi embora
e tudo perdeu a graça.
até sumiram os bancos
daquela praça.

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Outras Vidas

O médium
achou clichê
até nessa vida
sermos eu e você.

Apequenados

Vistos do mais alto andar,
formiguinhas.
Vistos de perto, 
pessoinhas.

Saudade

Saudade
faz morada
em coração 
sozinho.

Você volta,
a saudade 
veste o casaco
e sai de cantinho.

Covardia

Tem vezes
que a saudade
é covarde:
joga sal
no que
ainda arde.

Pra outro dia

Peguei sua alma
mas se acalma
que devolvo logo:
não é hoje que nela
me afogo.

Vira

Tempo
vira
momento
quando
bem
aproveitado
é.

Validade

Caí na mentira
da validade das coisas,
joguei fora um amor
ainda novo.

Doce

Algodão doce:
algo tão doce
quanto você.

Turbulência

Palavras rudes
que você lançou no ar,
coitado do pássaro
que as encontrar.

Con(Sumir)

Que não
te consuma
aquilo que não
te soma.

Pisca Onda

Entre olhares,
os mares
piscam ondas
às estrelas.

Pena

Valer-se 
de pena
não vale 
a pena.

Desama

Amamos assim
ligeiro, ligeiro.
Parece competição
de quem desama primeiro.

Quem ganhar
será o perdedor.

Não se vê um palmo à frente

Amar
é pé descalço
na escuridão,
erro no passo
e pisou-se
num coração.

Detalhes

O teu rosto ganha 
mais detalhes
quando te olho na cama
ao meu lado."

Não sobra nada

Tempo contado
no ponteiro do relógio,
vida contada
na fria lâmina
da foice da morte.

Vivemos de últimos segundos
e de últimos respiros.

Ocupa

A cidade toda
é nossa,
me ama na rua
e onde quer que possa.

Sonho Bom

Eu te sonho
como um sonho bom,
durmo agarrado
com o edredom.