quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Mais Uma Noite Qualquer

As três horas da manhã
Todos os barulhos pela janela
Em sincronia
Em sinfonia
Não me deixaram dormir.
Virei de um lado para o outro
Assim como os carros,
De lá para cá.

Desisti
Fui até a cozinha
Em passo lento
Sonolento.
Esvaziei todo o café
A xícara parecia não me dar fé.

Dizem que a noite é uma criança
Mas me lembro
Que quando era uma
Mesmo antes do sono ficar enorme,
Dormia cedo.

Essa noite parece
Que nunca dorme.

Nenhum comentário:

Postar um comentário